21 de nov de 2010

Menção honrosa




Menção honrosa

            Parabéns à Escola Eunice Weaver na pessoa da professora de artes Lucilene Neiva (idealizadora do trabalho integrado) pela aprovação do projeto “A Vigia de ontem com olhar de hoje”, que será apresentado em São Paulo (8 a 11 de novembro) no 2º momento do Projeto Ensino Médio Inovador (MEC).
            Parabéns aos professores que participaram do referido projeto (desenvolvido nos 1º anos do Ensino Médio – manhã e tarde), pois a construção coletiva foi dignificante, já que além de compartilharmos saberes por área de conhecimento, o referido projeto nos oportunizou trabalharmos em equipe, e como sabemos o trabalho em grupo nos possibilita (e nos possibilitou) exercitar a tolerância e a compreensão com nossos colegas e alunos que ainda não entenderam (“Ainda não caiu à ficha.”) que o mundo pertence a uma coletividade de seres, que entre estes está o ser humano que tem dificuldades de viver em harmonia com outras espécies (e com a própria), e isso ficou bem visível na reação de alguns professores e alunos que se “encolheram” em seus “casulos” e não quiseram gozar da liberdade de “voar” por outros domínios (outros saberes), e, por conseguinte, deixaram de mostrar suas magníficas “asas” (contribuições), que só enriqueceriam nosso curriculum vitae, e nos envolveriam, cada vez mais, no grande laço da amizade e do conhecimento compartilhado, integrado e solidificado.
            Afinal somos ou não humanos? Ou como disse sabiamente um grande antropólogo “Alguns de nós ainda são humanóides, equivocadamente chamados de homens...”.
            Parabéns a você que nos fez compreender que a vida também é esse grande circo, onde cada um tem a oportunidade de “se apresentar no picadeiro”, e por falar em circo, veio-me à memória uma belíssima canção que diz o seguinte: “Ah! O mundo sempre foi/um circo sem igual/onde todos representam bem ou mal/onde a farsa de um palhaço é natural...”.
            Como homens, seres vivos, humanóides ou “palhaços” devemos aprender a ressignificar nossas vidas e a compartilhar o “picadeiro” desse grande lugar onde moramos e “sangramos” como criaturas que estão num intenso, simultâneo e frenético aprendizado.

Por: Maria das Graças Silva de Oliveira

Atmosfera poética invade o HANGAR: “Flores de Maio”

Atmosfera poética invade o HANGAR.

“Flores de Maio”

            Lena Araújo e Marília Cruz – guardem estes nomes nas “memórias da mente e do coração” – pois vão precisar da inspiração deles quando forem falar de POESIA.
            Lena e Marília são professoras da Escola Eunice Weaver, e além de envolverem seus alunos por meio de aulas “pra lá de pai d’éguas”, são “poetas” forjadas no seio de terras paraenses.
            Essas duas jovens e talentosas “Flores de Maio” foram convidadas pela direção da escola, na pessoa da diretora Maria de Fátima Simões, no dia 20 de outubro, a integrarem a delegação de participantes que fariam parte da programação do evento –promovido pela SEDUC – “Escola Pública de Talentos” (20 e 21 de outubro no HANGAR), na ocasião as professoras–poetas envolveram os visitantes que inebriados ouviram enlevados os poemas recitados por elas: “Rastros de poesia” (Lena Araújo) e “Cabocla bonita” (Marília Cruz).
            A Escola Eunice Weaver em nome dos “transeuntes terrenos” – que estiveram no HANGAR – agradecem às professoras pela “palhinha” que nos fizeram respirar, pena que por alguns instantes, a atmosfera celeste emanada de suas poesias.
            Nosso muito obrigado, também, aos estudantes–artistas: Leonardo (1º ano – tarde), Thamara (2º ano – tarde), Carlos (6ª série– manhã), Rodrigo (2º ano – manhã) e aos grupos de dança “Expresse Dance” (coordenação: Marlon - 2º ano – tarde) e ao teatro (coordenação: professoras Lucilene Neiva e Lena Araújo). Vocês são nossas “pérolas” verdadeiras que o mundo precisa ter o privilegio de abrir a “concha” e admirar o intenso brilho.
            Nosso reconhecimento e apreço a todos que direta ou indiretamente nos ajudaram a promover de forma positiva o nome de nossa amada Escola Eunice Weaver. E um grande obrigado como forma de reconhecimento à técnica Layanne, à diretora Fátima Simões e a gestora Jucileide Maciel que não medem (e não mediram) esforços para que nossos alunos brilhem (e brilharam) tanto nos palcos dos eventos quanto nos palcos da vida.
           
            Por: Maria das Graças Silva de Oliveira.

HISTÓRICO DA ESCOLA

O nome de nossa Escola advém do Educandário Eunice Weaver que desenvolvia um trabalho com os filhos de Hansenianos , onde a princípio a escola fora preparada para os mesmos, no qual foi cedido um pavilhão denominado Gurjão (1ª moradia dos filhos de rancenianos) que eram examinados e só passavam para as demais dependências quando fosse diagnosticado que não tinham contraído a doença.
Com o passar do tempo foi expandido para toda a Comunidade com a construção de mais salas de aulas, onde contamos com a figura relevante e marcante da Irmã Zenóbia Pinto Quezado.
Devido a este início não se pensou até hoje em trocar o seu nome. No antigo Gurjão funciona hoje as dependências administrativas.
A senhora Eunice Sousa Gabi Weaver foi a fundadora da Sociedade Eunice Weaver no Pará, Socióloga e Jornalista, Presidente durante 35 anos da Federação da defesa contra a Lepra.
A Escola foi fundada em 26/03/1961. Tem como atual diretora a Professora Maria de Fátima Simões da Silva, atendemos a uma clientela de 2654 alunos distribuídos em 3 turnos, atuando com ensino fundamental, ensino de jovens e adultos e ensino Médio.
Nossa Escola objetiva um ensino de qualidade assegurando a formação comum indispensável para o exercício da cidadania , fornecendo meios para progredir no trabalho e em estudos posteriores.